Curtir e Compartilhar:

TEERÃ – Os ataques contra um navio petroleiro japonês podem ter sido um alerta ao Japão, por conta do papel exercido por Tóquio para aliviar as tensões entre Washington e Teerã.

O cargueiro japonês Kokuka Courageous foi atacado na quinta-feira (13) durante a visita do primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, ao país do aiatolá, Ali Khamenei.

Um jornal conservador e linha dura do Irã publicou em sua edição do dia 12 uma matéria com o título: “senhor Abe, por que você confia em um país que cometeu crimes de guerras?”, referindo-se aos EUA. O texto foi escrito em inglês e persa.

Foi colocada também uma foto do cogumelo atômico de Hiroshima na imagem de capa da publicação. A ala conservadora da imprensa do Irã frequentemente se opõem aos EUA, mas dessa vez, também demonstrou insatisfação com o Japão, grande aliado dos americanos.

Um pesquisador sobre o Irã que atua em Israel, acredita que o ataque tenha sido feito pelos iranianos. Para ele a mensagem é clara: o grupo responsável pelo ataque enxerga Abe como um “substituto de Trump” e o ataque demonstra a falta de confiança com o premiê japonês.

Por outro lado, o governo iraniano segue negando qualquer envolvimento no ataque. O ministro das relações exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif publicou em seu Twitter uma nota afirmando que “os líderes Abe e Khamenei estabeleceram um diálogo amigável entre as duas partes”.

Outra possível suspeita levantada pela mídia internacional, é que um terceiro país, além do Irã, possa ter sido responsável pelos ataques. Neste caso, este terceiro país também não aceita a posição do Japão como mediador do conflito de interesses entre EUA e Irã.

Qualquer que seja o caso, o episódio demonstra a falta de confiança de grupos no Irã e no Oriente Médio em relação ao Japão.

O governo japonês informou que está investigando o ocorrido junto com os EUA e evitou emitir qualquer comunicado condenando Teerã. O Ministério da Defesa do Japão adiantou que o caso não necessita do envio de embarcações das Forças Marítimas de Autodefesa ao Oriente Médio.

Fonte: Jiji.com 

Curtir e Compartilhar: