Curtir e Compartilhar:

Bejin- A China sofreu a pior queda econômica desde a década de 1970, no primeiro trimestre no combate contra o coronavírus.

A segunda maior economia do mundo encolheu 6,8% em relação ao ano anterior nos três meses que terminaram em março, depois que fábricas, lojas e agências de viagens foram fechadas para conter a infecção.

O pior desempenho da China desde antes do início das reformas econômicas no estilo de mercado, em 1979.

O consumo no varejo, que representou 80% do crescimento econômico da China no ano passado, caíram 19% no primeiro trimestre em relação ao ano anterior, abaixo da maioria das previsões.

O Partido Comunista, declarou vitória sobre o vírus no início de março e começou a reabrir fábricas e escritórios, mesmo quando os Estados Unidos e a Europa apertaram os controles. Mas cinemas, salões de beleza e outros negócios considerados não essenciais, que empregam milhões de pessoas, ainda estão fechados. O turismo está lutando para se recuperar.

Os controles sobre Pequim, a capital e algumas outras cidades foram reforçados para evitar o ressurgimento da doença. A maioria dos estrangeiros estão impedidos de entrar no país.

O consumo interno ainda vai demorar se recuperar, apesar das medidas do governo para incentivar gastos, distribuindo vale compras em algumas cidades e lançando uma campanha na mídia mostrando autoridades comendo em restaurantes.

Os consumidores estão segurando o dinheiro por medo de possíveis perdas de emprego. Outros relutam em se aventurar em supermercados ou mesmo sair de casa.

Isso é um golpe para as montadoras e outras empresas que esperam que a China tire a economia da sua pior crise desde a década de 1930.

O governo fez um apelo às empresas para continuarem pagando funcionários e evitar demissões. O país está dando incentivos fiscais e empréstimos para ajudar os empreendedores a se reerguerem. Ainda assim, uma onda de falências inundou o mercado de trabalho, aumentando a ansiedade econômica.

As vendas de automóveis caíram 48,4% em relação ao ano anterior em março. Em fevereiro a queda foi 81,7%.

Pequim está tentando estimular a economia investindo na construção de redes de telecomunicações de última geração e outros projetos. Mas o governo teme injetar muito dinheiro na economia e aumentar a dívida ou elevar a inflação.

Os líderes chineses provavelmente vão adotar medidas de estímulo maiores do que foi investido na crise de 2008.

Curtir e Compartilhar: