Curtir e Compartilhar:

O legislador japonês Tsukasa Akimoto, que foi indiciado por receber propinas de uma empresa chinesa interessada em entrar no nascente mercado de cassinos do Japão, foi libertado nesta quarta-feira após pagar 30 milhões de ienes em fiança.

Tsukasa Akimoto, 48, foi indiciado por receber um total de 7,6 milhões de ienes da empresa chinesa 500.com, em 2017 e 2018. O membro da Câmara dos Deputados, que liderou a decisão do Japão de legalizar os resorts de cassinos, negou as alegações.

Sua libertação seguiu a negação do Tribunal Distrital de Tóquio de um recurso feito pelo Ministério Público do Distrito de Tóquio contra a decisão do tribunal de conceder-lhe fiança. A equipe de defesa de Akimoto, que foi presa em 25 de dezembro, havia solicitado fiança em 3 de fevereiro.

O Japão recentemente legalizou os cassinos, que serão operados nos chamados resorts integrados com hotéis e instalações para conferências, na esperança de atrair mais turistas estrangeiros.

O ex-membro do Partido Democrata Liberal no governo supervisionou a iniciativa como vice-ministro sênior do Gabinete por cerca de um ano até outubro de 2018.

Três outros – Zheng Xi, 37, ex-executivo da unidade japonesa da empresa chinesa, e Masahiko Konno, 48, e Katsunori Nakazato, 47, que atuaram como consultores do operador de jogo – foram acusados ​​de suborno.

O tribunal de Tóquio também concedeu fiança na segunda-feira a Nakazato, fixado em 6 milhões de ienes. Zheng e Konno já haviam sido libertados sob fiança.

Curtir e Compartilhar: