Curtir e Compartilhar:

Do desemprego ao sucesso profissional.

Texto por Thaís Nakamine 

Fabiano Ryo Okamura chegou ao Japão em 1997 aos 26 anos cheio de planos e sonhos em busca de uma oportunidade nas indústrias japonesas. Nessa época, o país estava recebendo muitos brasileiros com grandes contratações, deixando a grande massa de imigrantes com expectativa de ótimos salários. Ryo era um daqueles jovens que se dedicavam 100% ao trabalho e em 17 anos de Japão, trabalhou em apenas duas fábricas dando o melhor de si. Com o passar dos anos, algumas indústrias começaram a dispensar seus funcionários e Fabiano entrou na lista de corte.

Já com 43 anos de idade na época, ele se viu sem chão, pois trabalhava tanto e sempre no mesmo ambiente, que mal teve tempo de se dedicar para aprender o idioma. Estava desatualizado para o mercado de trabalho que estava bem mais exigente comparado à época que chegou. Além disso, as novas contratações pediam um nível de japonês mais avançado e pessoas mais jovens. Ryo chegou a pensar que poderia ser o fim da sua jornada no país. Sua esposa Ivani Okamura começou a trabalhar muito mais pra poder suprir as despesas da casa, chegando a fazer cinco horas de zangyo por dia. Fabiano acabou virando dono de casa, mas não se sentia bem com essa situação. Queria poder arrumar um emprego rápido, mas até que essa oportunidade surgisse, teria que fazer algo para ajudar na renda da família.

“Um dia passei em frente um lixão de pneus e resolvi negociar três jogos de pneus usados. Mesmo sem falar direito o nihongo, cheguei em um acordo e comprei os três jogos por ¥12.000 à vista mesmo sem poder gastar. Fui pra casa, lavei todos eles, tirei algumas fotos e lancei na internet pra vender. Passaram duas semanas e eu olhava aqueles pneus encalhados na varanda. Cheguei a pensar que tinha feito uma grande besteira em comprá-los, mas na terceira semana, com muita insistência, vendi todos. Peguei o dinheiro e comprei mais pneus para vender e, desde então, fui vendendo cada vez mais todos os tipos peças de carro. Me lembro muito bem dessa época, pois era 2015, e ali, na varanda do meu apartamento com ¥12.000 de investimento, iniciou a Ryo Parts.” Contou Fabiano.

Ryo confessou que não entendia absolutamente nada de auto peças. No início, passou até por algumas situações constrangedoras, onde os clientes pediam alguns produtos e ele nem sabia para o que servia. Teve gente que chegou a questioná-lo se realmente auto peças era o melhor segmento que ele poderia seguir, já que ainda era leigo no assunto. Mas Fabiano foi persistente e sabia que seu dom, não era ser um especialista na sua área, mas era ser um ótimo negociante e vendedor. Com essa vantagem, sabia que poderia atingir todos seus objetivos e que aprender sobre os itens vendidos era questão de tempo.

“Hoje quando me lembro, acho até engraçado, mas realmente foi bem complicado na época, pois o carro tem muitas peças e saber exatamente o nome de todas, os modelos, anos e a finalidade de cada uma, requer tempo e paciência.”

Atualmente a empresa tem seu próprio espaço localizado em Toyohashi e conta ao todo com sete colaboradores, dentre eles alguns fixos e staffs, incluindo seu braço direito, Filipe Issao Okamura, que cuida de tudo para Fabiano e representa seus olhos quando precisa ficar fora.

 

“Meu irmão cuida de tudo pra mim e sei que ele representa quando meus olhos quando preciso ficar fora."

Mas o que mais alegra Fabiano, é ver sua esposa lvani ao seu lado trabalhando e dando apoio. “Sem ela, nada disso teria começado. Ela foi meu suporte, pois enquanto estava focado em abrir empresa, ela dava o melhor de si para manter nossa família. Trabalhava fora, cuidava de casa, era amiga, esposa e mãe.” disse Fabiano.

Além da Ryo Parts, que é mais voltada ao público estrangeiro, ele criou Best Offer, voltado ao público japonês. Hoje a empresa tem mais de dez mil itens pronta entrega e faz envios para todo o país.

Fabiano diz que não é difícil ser um empreendedor no Japão. Que mesmo não sabendo falar fluentemente o idioma, consegue negociar tranquilamente com os garagistas japoneses, pois transmitir confiança no trabalho que exerce, é fundamental para uma ótima negociação e parceria.

Para 2019, ele quer se dedicar muito mais à Best Offer com o projeto de alcançar cada vez mais o público japonês.

“Se desejamos algo, é necessário criar um objetivo e focarmos nele. Quando me vi desempregado aos 43 anos, com cinco filhos pra sustentar e um monte de contas para pagar, mesmo sabendo da dificuldade que estávamos passando era necessário ter perseverança. Pra chegar onde cheguei, foram muitas pelejas. Para ter uma história de sucesso, você deve se dedicar na sua área e ser muito confiante no que faz. As pessoas são diferentes e as atividades mudaram, como tudo no mundo, mas quando relembramos das histórias, dos nossos antepassados que chegaram ao Brasil cheios de sonhos, penso que nenhum daqueles imigrantes japoneses imaginavam o que seria a coletividade nipo-brasileira atualmente. Certamente, não imaginavam que seus netos um dia resolveriam trabalhar e morar no Japão, como um dia eles fizeram em relação ao Brasil. E eles foram muito bem sucedidos. Começando do nada, sofrendo preconceitos e sem conseguir falar o idioma local, levantaram  suas casas, mandaram seus filhos para a escola, e ainda conseguiram criar e realizar atividades que garantiram a preservação da cultura japonesa. Se hoje o nikkei é Considerado honesto, trabalhador e estudioso, foram eles que trabalharam muito para isso. Hoje chegou  nossa a nossa vez de fazer história e deixar um lindo legado aos nossos filhos, mas dessa vez em solo japonês.” Finaliza Fabiano.

 

Conte sua história também. Para mais informações: 080-5332-1254 (Thaís Nakamine)

Curtir e Compartilhar: