Curtir e Compartilhar:

TÓQUIO (Kyodo) – Uma japonesa de 80 anos infectada com o novo coronavírus morreu na quinta-feira, tornando-se a primeira fatalidade confirmada do país, disse o ministro da Saúde, à medida que mais casos de infecção foram relatados, além de centenas, em um navio de cruzeiro em quarentena perto de Tóquio.

A mulher da prefeitura de Kanagawa, perto da capital japonesa, não havia viajado para o exterior recentemente mas foi infectada pelo vírus e faleceu, afirmou o ministro da Saúde Katsunobu Kato em entrevista coletiva.

Ela foi diagnosticada com pneumonia e hospitalizada desde 1º de fevereiro, informou o Ministério da Saúde, acrescentando que sua respiração se deteriorou em 6 de fevereiro.

O governo está lutando com a disseminação do vírus causador de pneumonia. Na quinta-feira, 44 infecções adicionais foram encontradas a bordo do navio Diamond Princess, com milhares de passageiros e tripulantes isolados em Yokohama no mesmo município.

Na prefeitura de Wakayama, um cirurgião de 50 anos se tornou o primeiro médico no Japão a ser infectado pelo vírus, disse o governo local. Não se sabia se ele tinha contato próximo com visitantes da China, o epicentro do surto.

Um taxista de 70 anos também contraiu o vírus em Tóquio. O motorista foi citado por ter dito para um funcionário do governo metropolitano de Tóquio que não havia transportado visitantes estrangeiros nas duas semanas anteriores à apresentação de sintomas e as autoridades de saúde estão tentando determinar como ele contraiu o vírus.

Os casos mais recentes elevam o número total de infecções confirmadas para cerca de 250 no Japão. A maior parte, 218, são passageiros e tripulação do navio de cruzeiro Diamond Princess em quarentena atracado em Yokoyama, perto de Tóquio.

A contagem inclui turistas estrangeiros que visitaram Wuhan, o epicentro do surto viral e um motorista de ônibus japonês que teve contato próximo com turistas chineses no Japão.

O governo tem intensificado seus esforços para impedir a propagação de infecções e fortalecer os controles nas fronteiras. A empresa decidiu gastar um total de 15,3 bilhões de ienes (US $ 140 milhões) em medidas emergenciais contra o vírus. O primeiro-ministro Shinzo Abe disse que o governo garantirá que mais de 600 milhões de máscaras sejam fornecidas por mês.

Com milhares de passageiros e tripulantes isolados no navio por dias, mais 44 pessoas foram confirmadas como infectadas pelo vírus na quinta-feira, segundo o ministério.

O governo decidiu permitir que passageiros idosos que sofrem de doenças crônicas desembarquem mais cedo do que o previsto, caso testem negativo para o vírus.

Os cerca de 200 passageiros com 80 anos ou mais de idade no Diamond Princess poderá sair do navio na sexta-feira, dependendo de seus desejos e condições de saúde, disse Kato a repórteres, acrescentando que aqueles com condições pré-existentes já foram submetidos a exames.

Aqueles que tiverem permissão para sair do navio permanecerão em instalações organizadas pelo governo até o período de isolamento terminar na próxima quarta-feira.

“Há pessoas cuja saúde pode deteriorar-se ficando a bordo por um período prolongado”, disse Kato, enquanto indica que o ministério pode diminuir a idade das pessoas autorizadas a desembarcar.

Depois que um passageiro de 80 anos foi infectado com o vírus depois de deixar o navio em Hong Kong, o ministério verificou a saúde de todos os que ainda estavam no navio, testando aqueles com sintomas e outros que entraram em contato próximo com eles. . O navio chegou a Yokohama em 3 de fevereiro.

Desde então, o ministério solicitou que as pessoas permanecessem em suas cabines para impedir a propagação do vírus depois de levar os infectados e os doentes ao hospital.

Mas, à medida que os dias passam, sem serviços de limpeza e suporte médico suficientes, tem havido pedidos crescentes dos passageiros restantes para que mais médicos entrem a bordo.

Enquanto isso, o primeiro grupo de japoneses evacuados de Wuhan em uma aeronave fretada pelo governo em meio ao surto de coronavírus foi autorizado a voltar para casa quinta-feira, após pouco mais de duas semanas de isolamento.

Um total de 197 pessoas foram colocadas em quarentena em um hotel na província de Chiba, perto de Tóquio, e em instalações do governo desde que retornaram em 29 de janeiro da cidade chinesa no centro do surto.

Todos eles tiveram resultado negativo no exame final do vírus, realizado na terça-feira, após completar um período de monitoramento de 12 dias para o vírus causador de pneumonia.

O Ministério da Saúde disse que os repatriados da segunda aeronave fretada que chegou em 30 de janeiro também terão liberdade para voltar para casa se os resultados dos últimos testes que saírem no final do dia mostrarem que não estão infectados.

“Apreciei o tratamento gentil que recebemos de funcionários do governo e de pessoas no hotel. Consegui passar meus dias sem muito estresse”, disse um homem de 30 anos da província de Mie que estava entre os repatriados. “Quero agradecer às pessoas locais que também nos incentivaram.”

O governo de Tóquio disse que fornecerá 50 habitações públicas temporárias gratuitamente para aqueles que não tiverem imediatamente um lugar para morar disponível.

O surto de coronavírus já matou mais de 1.300 vidas na China, o número de pessoas infectadas com o vírus no continente é de cerca de 60.000 pessoas segundo as autoridades de saúde.

Curtir e Compartilhar: