Curtir e Compartilhar:

TOKYO – A Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) lançou na segunda-feira (16), uma organização para fornecer melhor apoio aos trabalhadores estrangeiros no país como parte de seu objetivo de resolver os problemas sociais que eles enfrentam até 2030.

O órgão, denominado Plataforma Japonesa para Trabalhadores Migrantes por uma Sociedade Responsável e Inclusiva, foi estabelecido com a Aliança Global para Cadeias de Abastecimento Sustentáveis ​​- um órgão não governamental que se concentra em questões de direitos humanos.

Em um evento realizado na segunda-feira em Tokyo para marcar sua criação, discursos principais foram dados pelo jornalista Akira Ikegami e Phi Hoa, o CEO da One-Value, uma empresa que fornece apoio ao emprego para trabalhadores vietnamitas e outros estrangeiros.

Ikegami falou sobre o estado atual da aceitação de trabalhadores estrangeiros pelo Japão, enquanto Hoa explicou sobre a perspectiva da comunidade vietnamita.

“Se o Japão não melhorar seu apelo, trabalhadores altamente qualificados não virão”, disse Hoa ao abordar barreiras rígidas da sociedade japonesa.

Phi Hoa, CEO da One-Value discursando no evento que marca o lançamento do novo órgão de apoio para trabalhadores estrangeiros. (Kyodo)

A organização recém-formada buscará tornar o Japão uma escolha mais atraente para estrangeiros em meio à aguda escassez de mão de obra do país, fortalecendo a comunicação, propondo iniciativas para reforma e transmitindo informações sobre o Japão no mercado interno e externo.

Formalmente estabelecido com um grupo consultivo, ele tem 41 membros do grupo, como Seven & i Holdings e SoftBank, e 12 membros individuais.

De acordo com o roteiro da organização, ela operará como uma organização voluntária nos primeiros dois anos após seu lançamento, já que recruta membros e facilita a discussão sobre vários assuntos.

Tem como objetivo produzir resultados a partir de 2023, com o objetivo de resolver todos os direitos humanos e questões sociais enfrentadas por trabalhadores estrangeiros no Japão até 2030.

O evento foi encerrado com um painel de discussão de uma hora sobre as ações que devem ser tomadas para tornar o Japão mais atraente para os trabalhadores estrangeiros, cujo número totalizava cerca de 1,66 milhão em janeiro de 2020.

Moderado por Miwa Yamada, diretora do Instituto de Economias em Desenvolvimento da Organização do Comércio Externo do Japão, os participantes dos painéis incluíram Yumi Otsuka, vice-chefe de sustentabilidade da Toyota Motor e Toshihiro Menju, diretor administrativo e diretor de programa do Japan Center for International Exchange (JCIE).

“Existem muitos pontos de vista – de empresas, governos locais e organizações sem fins lucrativos. Mas se os estrangeiros não estão trabalhando, o Japão não pode operar. Essa é a realidade”, disse Menju.

“Estou grato por esta plataforma ter sido estabelecida para que possamos pensar em uma maneira que todos possam ganhar para permitir que (os estrangeiros) se instalem e trabalhem aqui”, disse ele.

Toshihiro Menju, diretor de programa do Japan Center for International Exchange. (Kyodo)

Fonte: Kyodo/Donican Lam

Curtir e Compartilhar: