Início Internacional Líder norte-coreano, Kim Jong-un convida presidente dos EUA, Donald Trump para reunião

Líder norte-coreano, Kim Jong-un convida presidente dos EUA, Donald Trump para reunião

621
Curtir e Compartilhar:

Washington – A Coreia do Sul havia prometido um grande anúncio referente a Coreia do Norte para a manhã dessa sexta-feira (no Japão) e minutos atrás foi revelado que o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-Un enviou uma carta endereçada ao presidente dos EUA, Donald Trump.

O governo americano confirmou que na carta, o líder norte-coreano convida o presidente americano para uma reunião.

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders comentou que o presidente Donald Trump enviou palavras de agradecimento ao presidente sul-coreano Moon Jae-in e que a Casa Branca aceita o convite da Coreia do Norte.

Detalhes da reunião entre os dois líderes ainda não foram confirmados. O encontro deve ocorrer até maio e os EUA esperam que a desnuclearização da península seja um tema da pauta.

Além disso, até a reunião a Coreia do Norte se comprometeu a não realizar novos testes nucleares e de misseis. Contudo, pelo lado americano, um oficial dos EUA disse que não há planos de suspender os exercícios militares conjuntos entre os EUA e Coreia do Sul.

Caso o encontro se concretize esse será o maior avanço diplomático conquistado entre EUA, Coreia do Norte e Coreia do Sul desde o fim da Guerra da Coreia na década de 50.

EUA e Japão ressaltam peso das sanções
As fortes sanções econômicas impostas a Pyongyang teriam sido decisivas para fazer o líder norte-coreano decidir ir à mesa de negociação com os EUA. Essa é a visão compartilhada pela administração Trump e pelo governo japonês de Shinzo Abe.

Em conversa por telefone entre os dois líderes, o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, frisou que a aliança Japão-EUA, junto com a pressão política e econômica exercida por Tóquio, Washington e Seul, em conjunto com a sociedade internacional teriam sido o grande motivo para a Coreia do Norte resolver ir à mesa de negociações.

Abe ressaltou que a aliança com os EUA segue 100% firme, depois da relação política dos dois países ter sido posta em cheque com a recente aproximação dos EUA frente a possibilidade da abertura de um canal diplomático com a Coreia do Norte, que poderia deixar o Japão numa posição marginalizada.

O primeiro-ministro japonês visitará Washington na metade de abril e se reunirá com o presidente Donald Trump para discutir sobre a desnuclearização da península coreana e outros detalhes que deverão ser tema da reunião entre Kim Jong-Un e Donald Trump.

Curtir e Compartilhar: