Manobras conjuntas entre EUA e Coréia do Sul, podem levar a uma...

Manobras conjuntas entre EUA e Coréia do Sul, podem levar a uma guerra nuclear, diz Pyongyang

COMPARTILHAR

O exercício “Vigilant Ace”, começa nesta segunda-feira (4) e vai durar cinco dias, mobilizando cerca de 230 aviões, entre eles caças invisíveis F-22 Raptor, os conhecidos “stealth” (furtivo), que são projetados para não serem detectados por radares, o que aumenta significaticamente a eficiência de um ataque. Para ficar invisível, essas aeronaves têm designs diferenciados e são revestidas por um material secreto, o RAM (Radar Absorbing Material), que absorve ondas de radar.

Este treinamento, será realizado apenas poucos dias depois em que o regime norte-coreano testou um míssil balístico intercontinental (ICBM). O artefato teria capacidade de atingir os Estados Unidos.

No sábado, o Ministério norte-coreano das Relações Exteriores acusou a administração de Donald Trump de “querer a guerra nuclear a qualquer custo” com essa simulação aérea.

Cerca de 12.000 membros do serviço norte-americano, incluindo a Marinha, se  juntarão às tropas sul-coreanas.
O exercício conjunto é projetado para melhorar a prontidão e a capacidade operacional garantindo a paz e a segurança na península coreana.