Curtir e Compartilhar:

As infecções por coronavírus a bordo do navio de cruzeiro em quarentena Diamond Princess subiram para 174 depois que mais 39 pessoas deram positivo, informou o Ministério da Saúde em 12 de fevereiro. A infecção também se espalhou para um oficial de quarentena que ajudou a acompanhar a saúde da tripulação e dos passageiros.

Outros quatro passageiros desenvolveram sintomas graves, informou o ministério.

Até o momento, 492 tripulantes e passageiros das quase 3.700 pessoas a bordo foram testados para o coronavírus. O navio foi colocado em uma quarentena mínima de duas semanas em 5 de fevereiro e permanece atracado em um píer no porto de Yokohama.

Dos novos casos, 10 infectados eram membros da tripulação e outros 29 eram passageiros, com idades de 15 aos 80 anos, informou o ministério. Dez dos passageiros infectados eram japoneses, enquanto sete eram dos Estados Unidos e quatro da China, Austrália e Filipinas.

Aqueles que testaram positivo serão levados aos hospitais locais para tratamento médico.

O oficial de quarentena que testou positivo embarcou nos navios nos dias 3 e 4 de fevereiro para coletar questionários e verificar febres. Ele seguiu o protocolo e usava máscara facial e luvas enquanto estava no navio e higienizava as mãos com desinfetante.

Ele trabalhou no escritório de quarentena entre 5 e 7 de fevereiro e desenvolveu febre em 9 de fevereiro. Ele foi a uma instituição médica no dia seguinte, onde testou positivo para o coronavírus. Aqueles que estavam em contato próximo com o oficial de quarentena, como sua família e colegas, foram instados a abster-se de ir ao ar livre.

Autoridades do Ministério da Saúde disseram que quatro das 135 tripulações e passageiros que apresentaram resultado positivo para o coronavírus em 10 de fevereiro desenvolveram sintomas graves. Os quatro eram todos do sexo masculino. Um tinha 60 e os outros 70. Três deles são japoneses. Todos os quatro tinham problemas de saúde pré-existentes e agora estão em uma UTI usando máscaras de oxigênio.

Com base nesse novo desenvolvimento, as autoridades do ministério da saúde estão considerando permitir que idosos com condições de saúde pré-existentes deixem o navio, mesmo que não apresentem sintomas do coronavírus antes do final do dia 19 de fevereiro, marcado para o período de quarentena.

Em uma reunião da força-tarefa para lidar com o coronavírus em 12 de fevereiro, o primeiro-ministro Shinzo Abe indicou que os governos locais teriam maior margem de manobra na decisão de testar uma gama maior de pessoas para o coronavírus.

O padrão atual é testar aqueles que estiveram na província de Hubei, no centro da China, onde Wuhan está localizada e o surto começou.

Curtir e Compartilhar: