Curtir e Compartilhar:

Os organizadores das Olimpíadas de Tóquio e Paraolimpíadas enfrentam uma série de tarefas a serem cumpridas enquanto se preparam para o adiamento dos jogos por cerca de um ano.

O Comitê Olímpico Internacional decidiu na última terça-feira (24) adiar os jogos até o verão de 2021, devido à pandemia de coronavírus.
Na terça-feira, o presidente do COI, Thomas Bach, concordou com o atraso com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe. O chefe do comitê organizador de Tóquio, Yoshiro Mori, e o governador de Tóquio, Yuriko Koike, também estiveram presentes na teleconferência.

É a primeira vez que os Jogos Olímpicos são adiados.

Funcionários do comitê organizador dizem que vêem um caminho espinhoso pela frente.
Primeiro, eles precisam elaborar uma nova programação para os jogos, a fim de dar aos atletas e outras pessoas tempo para se prepararem.
Garantir os 43 locais para a competição é outra prioridade. Os funcionários verificarão se as instalações estarão disponíveis no próximo ano, se os contratos de arrendamento podem ser transferidos ou se o plano precisa ser reformulado.
Ajustes precisarão ser feitos com organizadores de outros eventos esportivos internacionais a serem realizados no próximo ano.

Muitos ingressos para as Olimpíadas e Paraolimpíada já foram vendidos no Japão, e os voluntários dos jogos precisarão reorganizar seus planos. Tudo isso implica custos adicionais, que os organizadores precisarão calcular.

Curtir e Compartilhar: