Curtir e Compartilhar:

Tóquio- Nesta terça-feira (7), o governo central aprovou seu maior pacote de ajuda econômica, com o objetivo de estimular a econômicas fragilizada pela pandemia do COVID-19 ” coronavírus ” e reforçar a rede de segurança para empresas e famílias em dificuldades.

O Governo entende que o COVID-19 está prejudicando as atividades comerciais e ameaçando o emprego da população. Os especialistas dizem que o conceito geral do pacote no valor de 108 trilhões de ienes está no caminho certo, já que o valor do estímulo é igual a cerca de 20% do PIB  (produto interno bruto) do país.

Os especialistas, no entanto, dividem-se em uma das principais políticas projetadas para ajudar as famílias prejudicadas, disponibilizando ¥ 300.000 cada o equivalente a quase 2,900 dólares. Alguns economistas dizem que a ajuda financeira deve ser fornecida apenas  para queles que realmente  precisam dessa ajuda, enquanto outros economistas dizem que a medida proposta tem que ser para todos.

Ajudar a gestão de caixa das empresas, proteger o emprego e apoiar aqueles que perderam o emprego são as principais prioridades no momento e (o pacote de resgate) parece cobrir esses pontos“, disse Yoko Takeda, economista-chefe do Mitsubishi Research Institute.

A conta de orçamento suplementar de 16,8 trilhões de ienes que ajudará a pagar pelo pacote de ajuda econômica se concentra principalmente em proteger empresas e famílias das consequências econômicas do coronavírus.

O pacote de estímulo virá em duas fases e permitirá uma moratória fiscal de um ano no valor de 26 trilhões de ienes e gastará 6 trilhões de ienes em doações em dinheiro para pequenas e médias empresas afetadas e famílias.

As pequenas e médias empresas receberão até ¥ 2 milhões cada e os proprietários receberão uma ajuda de ¥ 1 milhão de ienes, se suas receitas tiverem diminuído pela metade devido ao impacto do vírus. O governo também planeja distribuir 300.000 ienes as famílias de baixa renda. Estima-se que a renda anual caia para o nível elegível para isenções de impostos residenciais. O nível de renda anual é de ¥ 1 milhão ou menos para indivíduos e varia para famílias que consistem em 2 ou mais membros.

As famílias também receberão ajuda financeira exceto aqueles com renda superior a média. Se o salário mensal do chefe da família tiver sido reduzido pela metade ou mais em qualquer mês entre fevereiro e junho e  a renda anual tiver sido reduzida abaixo de um determinado valor que deve ser consultado na hellowork, será possível isenção de imposto residencial.

O subsídio mensal para crianças, que normalmente é de ¥ 10.000 a ¥ 15.000, supostamente será aumentado.

Além disso, a conta do orçamento suplementar inclui medidas para aumentar os subsídios ao ajuste do emprego e expandir as oportunidades para as empresas obterem empréstimos sem juros.

Além disso, a escala do pacote -é quase o dobro do pacote de ¥ 56 trilhões criado para combater a crise financeira global em 2009 – essa atitude do governo é uma resposta de solidariedade para a população. .

Mas nem todo mundo está satisfeito com as medidas tomadas por Shinzo Abe, em relação a ajuda dos ¥ 300.000 para as famílias afetadas.

O ministro das Finanças, Taro Aso, que era primeiro ministro durante a crise de 2009, disse durante uma coletiva de imprensa recente que o programa de caixa de 2009 foi um fracasso.

Shunsuke Kobayashi, economista sênior do Instituto de Pesquisa Daiwa, se manifestou dizendo “A rede de segurança é obviamente importante”, mas a distribuição de ¥ 300.000 em dinheiro para as famílias  “não é o fim do problema”, e provavelmente, isso suscitará em polêmica na questão do julgamento de quem deve ou não receber essa ajuda.

Fonte:Japan Times

Curtir e Compartilhar: