Curtir e Compartilhar:

JACARTA – O primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga prometeu na terça-feira (20) empréstimos a juros baixos de 50 bilhões de ienes (US $ 473 milhões) para a Indonésia a ajudar com as consequências econômicas da pandemia do coronavírus em negociações com o presidente do Sudeste Asiático, Joko Widodo.

Na cúpula no palácio presidencial em Bogor, ao sul de Jacarta, os líderes também concordaram em fortalecer a cooperação em segurança e iniciar discussões sobre a retomada das viagens de negócios entre seus países.

Suga, em sua primeira viagem ao exterior desde que assumiu o cargo em meados de setembro, busca estreitar os laços com os países do sudeste asiático para conter a crescente influência da China.

“Promoveremos uma maior cooperação com a Indonésia, que é um estado marítimo do Indo-Pacífico e um parceiro estratégico, inclusive na derrota conjunta do coronavírus”, disse Suga após o encontro com Joko.

Os empréstimos a juros baixos serão usados ​​para as medidas da Indonésia contra desastres naturais, além dos quase 32 bilhões de ienes em empréstimos que o Japão deu em fevereiro deste ano.

O objetivo é liberar recursos da Indonésia para serem usados ​​no combate ao COVID-19. O país do sudeste asiático viu o pior surto na região, com mais de 360.000 infecções confirmadas e mais de 12.000 mortes relacionadas.

O premiê japonês disse que concordou com Joko em retomar as viagens entre seus países para enfermeiras e estagiários de assistência. Joko disse que os chanceleres dos dois países coordenarão a retomada das viagens de negócios em maior escala no próximo mês.

Quarto país mais populoso do mundo, a Indonésia é uma potência econômica no sudeste da Ásia e é a única nação da região incluída no Grupo dos 20.

O presidente, amplamente conhecido como “Jokowi”, também disse que pediu a Suga que ajude a manter a ordem na comunidade internacional, fazendo uma referência velada ao aumento das tensões entre os Estados Unidos e a China.

“O potencial para cooperação multilateral está atualmente sendo ameaçado por uma dura disputa entre as potências mundiais e estamos pedindo a ajuda do Japão para que as coisas voltem ao normal”, disse ele durante uma aparição conjunta na mídia.

Fonte: Kyodo

Curtir e Compartilhar: