Curtir e Compartilhar:

As relações diplomáticas entre Japão e Coreia do Sul esfriaram depois das mais recentes declarações do presidente sul-coreano Moon Jae-in feitas na quinta-feira (10).

O presidente sul-coreano discursou sobre vários assuntos ligados às relações entre Japão e Coreia do Sul, entre eles, o caso dos trabalhadores sul-coreanos forçados a trabalhar em fábricas japonesas durante a Segunda Guerra Mundial.

Moon disse que: “A questão é histórica, não é inteligente por parte do Japão tornar a questão como assunto de discussão política. O Japão precisa ser mais humilde ao lidar com o problema das fábricas”.

O líder sul-coreano exigiu que as autoridades japonesas trabalhem para resolver o problema segundo as orientações da justiça sul-coreana. Moon chegou a dizer que: “Mesmo que o governo japonês não concorde com parte da nossa decisão, eles precisam admitir a realidade histórica e aceitar”.

O governo japonês defende que a questão seja resolvida baseada no Acordo de Reivindicação Japão-Coreia, assinado em 1965  e que regulamenta a resolução de problemas econômicos e políticos entre os dois países.

Durante a coletiva de imprensa na quinta-feira, o presidente sul-coreano foi perguntado sobre o acordo por um repórter japonês, mas se esquivou da pergunta ao ressaltar a questão do problema histórico.

Foi a primeira vez que o presidente sul-coreano falou sobre as relações entre os dois países desde que assumiu o poder.

Posição do governo japonês

O vice-ministro das relações exteriores do Japão, Masahisa Sato, usou a sua conta no Twitter para criticar o discurso do presidente sul-coreano.

Para o político japonês a exigência de que o Japão precisa aceitar o julgamento sul-coreano fere o acordo assinado entre os dois países. Sato criticou o fato do governo sul-coreano sequer ter respondido o pedido japonês para que a questão seja discutida em uma reunião política entre os dois lados.

Na opinião de Sato: “O governo sul-coreano proferiu declarações sem qualquer fundo de verdade”.

O Ministério das Relações Exteriores do Japão também comentou as declarações do presidente sul-coreano, ressaltando a importância dos dois países de cumprirem acordos internacionais, o que na prática significa uma mensagem ao lado sul-coreano para levar em consideração o acordo assinado em 1965.

O chefe do gabinete do governo japonês, Yoshihide Suga, confirmou a imprensa que o governo sul-coreano não respondeu aos pedidos de uma reunião entre os dois lados para discutir o problema.

Suga terminou dizendo que a situação entre os dois países está em uma situação “bastante crítica”.

Fonte: FNN Prime, AFP News, TV Asahi, NHK WEB NEWS, 

Curtir e Compartilhar: