Curtir e Compartilhar:

As queimadas ocorridas na Amazônia este ano já estão provocando perdas econômicas para o Brasil, em meio a uma política ambiental menos rigorosa por parte do governo de Jair Bolsonaro.

Gestores de grandes fundos de investimentos europeus informaram a autoridades brasileiras que seus cotistas não querem mais ter dinheiro aplicado aqui. Alguns não vão mais aplicar. Outros sinalizam que podem retirar o que já investiram.

A equipe econômica constatou ainda que as tensões políticas na América Latina também estão contaminando a percepção de risco em relação ao Brasil, o que significa potencial queda de investimentos no país.

A situação do Brasil pode piorar dependendo dos resultados da COP25, que está sendo realizada na Espanha. Por curiosidade, a conferência seria realizada no Brasil, mas foi cancelada pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, sob a justificativa de uma suposta ameaça a soberania nacional.
A cúpula se mudou então para o Chile, onde devido aos protestos na capital Santiago, teve de ser mudada para a Europa, o continente mais comprometido com as questões ambientais. A Europa quer ser reconhecida como um continente limpo e busca um acordo para fixar meta de emissão zero de CO2 em 2050.

Na Europa, as lideranças políticas aprofundam as políticas ambientais sob pressão de parcelas cada vez mais amplas do eleitorado em favor de uma economia cada vez menos dependente dos combustíveis fósseis. Também cada vez menos os europeus estão dispostos a consumir produtos cuja origem e fabricação possam ser entendidas como agressivas ambientalmente.

Na abertura do encontro o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, declarou que “Hoje, felizmente, só um punhado de fanáticos nega a evidência [de aquecimento global]”, fazendo clara referência ao presidente americano, Donald Trump, assim como, ao presidente Jair Bolsonaro.
Curtir e Compartilhar: